Jovem que sofreu estupro coletivo recebe ameaças do Comando Vermelho e deixa o Rio

Postada em: 01/06/2016 09h54m
Atualizado:   01/06/2016 09h57m

Jurada de morte por traficantes do Morro da Barão, na zona oeste do Rio, a adolescente de 16 anos vítima de estupro na favela há 11 dias deixou nesta terça-feira, 31, o Estado do Rio com a família. O secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Paulo Melo, contou que ela está muito assustada, “disposta a mudar de vida”, e que não terá celular nem computador com internet, para que não entre em contato com pessoas que possam descobrir seu paradeiro.

Incluída no Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte, a jovem entrou em pânico ao saber da ira dos criminosos do morro, que decretaram sua execução. Isso porque a divulgação do crime, ocorrido depois de ela participar do baile funk da favela, na madrugada do dia 21, chamou a atenção da polícia para o bando.

A adolescente declarou, no primeiro depoimento à polícia, que procurara o “dono do tráfico” para reclamar que seu celular havia sido roubado e contar que havia sido estuprada. A exposição dos criminosos, que passaram a ser procurados, motivou a sentença de morte.

“Fiquei estupefato com a maturidade e a tranquilidade dela. Ela quis entrar sozinha na sala para falar comigo, e não com a avó. É inteligente, articulada e madura. Mas está assustada, recebeu ameaças de traficantes e até de gente de fora do Estado. Estava com pressa de ir embora do Rio”, disse o secretário, que nesta segunda-feira, 30, esteve com a vítima por uma hora. “Não perguntei sobre a vida sexual dela. Fazer sexo com menor é crime, divulgar imagem dela sendo bolinada é crime.”

Família

A adolescente já havia deixado o apartamento em que vivia com a mãe, o pai, o irmão, de 6 anos, e o filho, de 3, na sexta passada, 27. A família passou a ter escolta policial e, nesta terça-feira, 31, foi transferida de vez. A avó materna foi junto. É ela quem tem estado com a adolescente nos contatos com policiais, advogados e defensoras públicas. O pai, idoso, tem dificuldade de fala e locomoção, sequela de um acidente vascular cerebral (AVC). A mãe cuida do neto.

A família morava num condomínio de classe média na Taquara, zona oeste, havia cerca de três anos. O prédio fica a 6 km do Morro da Barão, que a adolescente frequentava não só em noites e madrugadas de baile funk. Ela convivia com pessoas ligadas ao tráfico, a quem já conhecia: antes de se mudar para Jacarepaguá, a família viveu em Honório Gurgel, zona norte, perto do Morro Jorge Turco, cujo comércio de drogas era dominado pelo mesmo bando que hoje está no Barão.

O “chefe” local é Sergio Luiz da Silva Júnior, o Da Russa, gerente de Luiz Claudio Machado, o Marreta, preso em 2014 no Paraguai. Da Russa é um dos seis acusados do crime e está foragido. Marreta é um dos líderes da facção criminosa Comando Vermelho (CV).

A vida escolar da garota foi atrapalhada pela gravidez precoce. Ela já não estuda. Evangélico, o pai tentava mantê-la em casa, mas ela fugia.

“É uma menina que se criou sozinha. O pai prendia demais, botava de castigo, mas não adiantava. A filha fugia de casa, e um dia, apareceu grávida. Ela se destaca na comunidade, é bonita, e aquele passou a ser o mundo dela. Só que ao ser ameaçada, até mesmo de ser queimada viva, entrou em pânico”, descreveu um funcionário do Estado que presenciou relatos da vítima.

Ela agora se comprometeu a não falar com pessoas do morro e a não dar entrevistas. Os pais receberão suporte financeiro por dois anos, tempo que dura o programa de proteção.

Presidente do inquérito, a delegada Cristina Bento voltou a interrogar nesta terça-feira os acusados Raí de Souza e Lucas Perdomo Duarte dos Santos. O teor não foi divulgado. Ainda há quatro foragidos, entre eles Da Russa



Estupro, Menor, Rio, Violência, Denúncia
  • Foto: Google
  • Fonte: O Estadão
  • Postador: Marcos

Digite o codigo abaixo:

Recarregar imagem